Os investidores confiam em notícias positivas e ignoram as proibições da China e Coreia do Sul

 

Em véspera de Segwit2x o Bitcoin cresceu mais de 1000 dólares dos EUA em dias contados e superou nível 7000 dólares. Alguém supõe que as cotações do Bitcoin e das criptomoedas subam, graça a capital especulativo, mas ao contrário, os outros crêem em futuro da blockchain. Uma série de países anda pelo caminho do progresso, mas outros Estados implementam as restrições, tentando aplicar um controle fiscal sobre criptomoedas. Os traders ignoram estas restrições e preferem reagir às notícias positivas. Como influem os fatores fundamentais às criptomoedas e por quê as restrições legais não são eficazes, leia em nossa resenha.

 

De que está temendo uma criptomoeda?

Até nova revalidação do Bitcoin restou 2 semanas, mas esta criptomoeda já estabelece novos recordes de velocidade do crescimento e máximos históricos. Apenas nos últimos dias, o BTC encareceu mais de 20%, subindo desde nível 5700 até 7200. Ao longo deste ano, a criptomoeda cresceu quase 900% e parece que não tem as intenções para parar nesta meta. Por enquanto, se realizam as previsões dos analistas mais otimistas relativamente a cotação do Bitcoin que atingirá o nível cerca de 10 000 dólares dos EUA já no fim deste ano. Conforme os dados do site Coin Market Cup, a capitalização do Bitcoin excedeu a referência 120 mil de milhões de dólares dos EUA e constitui mais de 60% de capitalização total de todas as criptomoedas. Ainda um mês atrás, a capitalização total consistia em 130 mil de milhões e quota de Bitcoin nesta apenas foi cerca de 47%.

 

Nesta imagem está bem visível que o gráfico ascendente direto pertence somente ao BTC e também, aos seus sucessores criados em agosto, ou seja, BCH e BitConnect, este último nasceu em janeiro de 2017e segundo à opinião de maioria dos traders é uma pirâmide clássica ou HYIP. Alguns investidores prudentes receiam este crescimento súbito do Bitcoin mesmo:

  • subida especulativa do BTC é muito rápido, comparando com outras criptomoedas e poderá a ceder, após de revalidação, isto significa que a demanda cresce apenas por motivo de oportunidade de obter as moedas depois de Segwit2x. Alguns analistas comparam esta situação no mercado de criptomoedas com o ano 2000, quando surgiu “bolha da Internet”;

  • a volatilidade de 400-500 dólares dos EUA ao dia é demasiadamente grande. Com uma subida tão alta é possível esperar um recuo igualmente profundo;

  • uma série de países implementa cada vez mais restrições em relação de transações e mineração.

Os receios relacionados com o recuo do Bitcoin depois de revalidação são inúteis. Ao contrário, após de BCH ter surgido em agosto, a cotação do Bitcoin continuou subindo. Uma situação semelhante aconteceu com o Bitcoin Gold. Somente em véspera de revalidação sucedeu um ligeiro recuo, mas posteriormente, o Bitcoin cresceu.

Também, são inúteis os receios em relação à “bolha da Internet”. Os partidários de criptomoedas supõem que tecnologia “blockchain” conquistará o futuro e argumentam isto com o interesse por parte de corporações. A capitalização das criptomoedas é 200 mil de milhões de dólares dos EUA, a capitalização das companhias NASDAQ em momento de queda ocorrida em dia 10 de março do ano 2000, constituía os milhões de milhões e por isso, as semelhanças entre criptomoedas e NASDAQ não têm um lugar. Maior problema são as restrições por parte de outros países que poderão a tornar-se para Bitcoin e criptomoedas num tropeço.

 

Como reage o Bitcoin às restrições por parte de Estados e se é preciso recear destas?

Em dia 4 de setembro de 2017, em mídia apareceram as informações que China proibiu a realização de OIM (Oferta Inicial de Moedas), deixando às pessoas singulares a oportunidade para continuar quaisquer operações em criptomoedas. Ainda um ano atrás, cerca de 85% de todas as transações em bitcoins foram realizadas na China, mas depois duma série de medidas restritivas, o seu volume ficou inferior de 15%. Os traders reagiram tranquilamente à decisão da China, as cotações baixaram temporariamente de nível 4800 a 4200, não chegando muito até mínimos de agosto.

 

Mais ativamente os traders reagiram à suspensão de operações na Bolsa de criptomoedas chinesa ВТСС que ocorreu em 14-15 de setembro. Isto também, está visível no gráfico. Uma situação semelhante aconteceu em dia 25 de julho, quando deixou de funcionar uma das maiores bolsas mundiais ВТС-е. Naquela altura o Bitcoin perdeu quase 20% de seu valor. Isto significa que os traders reagem mais aos problemas práticos em operações e transações do que às restrições.

 

Depois de governo chinês apertou sua política, a circulação do Bitcoin deslocou-se para Japão e Coreia do Sul. Esta última tomou cerca de 30% de circulação da criptomoeda e conquistou 3º lugar neste índice. Mas no fim de setembro os traders enfrentaram outro problema, nesta vez, as OIMs foram proibidas em Coreia do Sul também. Embora este país mantém sua lealdade em Bitcoin, todas as novas criptomoedas, bem como todos os tipos de créditos em moedas digitais estão proibidos. Os traders quase ignoraram a decisão da Coreia do Sul anunciada em 29 de setembro, o descenso do Bitcoin que constituiu 4% é incomparável com a subida posterior.

Muito mais ativamente, os traders reagiram à notícia que o Japão tem as intenções para legalizar as bolsas de criptomoedas e mostrar a tolerância em relação ao controle sobre o comércio destas. Em abril, Japão tornou-se primeiro país que equiparou o Bitcoin com o dinheiro fiduciário. Durante última semana, esta criptomoeda está subindo exclusivamente por motivo de espera de revalidação em novembro.

 

Rússia também, não atrasa de países asiáticos. Em 24 de outubro, Vladimir Putin ordenou ao governo e Banco Central estabelecer os requerimentos para organizar mineração de criptomoedas e posteriormente, registrar os sujeitos que efetuam a mineração. Anteriormente, o Banco Central já considerou a probabilidade de controlar emissão e circulação de criptomoedas em território nacional. As cotações das criptomoedas não reagiram em maneira nenhuma a este anúncio.

As tentativas de alguns países limitar as criptomoedas, incluindo Bitcoin que obteve em alguma forma o estatuto do meio de pagamento, é compreensível:

  • a circulação de criptomoedas e os volumes da mineração estão aumentando de dia a dia. Isto é uma boa área para a tributação. Se os lucros obtidos de trading no mercado de valores mobiliários ou no Forex estão sujeitos aos impostos, por quê não aplicar os mesmos para os lucros obtidos de comércio de criptomoedas e mineração?

  • A vantagem das criptomoedas é anonimato. Os países que restringem a circulação de criptomoedas, justificam estas restrições com a facilidade de fuga de capitais de país, desviando os reguladores e que as criptomoedas poderão a atuar para branquear os capitais;

  • A moeda dum país é ferramenta para regular a economia. Mesmo a circulação da divisa estrangeira se encontra sob o controle do regulador. A circulação espontânea de criptomoedas poderá ameaçar à integridade económica do país.

Muitos países ainda não sabem como considerar o sentido de criptomoeda de ponto de vista financeiro. As opiniões dos representantes de governo se distribuíram em maneira seguinte:

  • as criptomoedas são totalmente proibidas em Islândia, Vietnã, Bolívia, Equador, Bangladesch, Líbano, Tailândia, entre estes países é fácil ver as semelhanças de desenvolvimento económico;

  • EUA. Aqui, a criptomoeda é um instrumento financeiro de pleno valor, ou seja, um ativo bolsista que está sujeito à legislação tributária. Há mais de um ano estão continuando as conversas sobre a criação de primeiro fundo ETF de criptomoedas, mas ainda não está obtida a licença por parte de reguladores;

  • na Finlândia e Bélgica, o Bitcoin considera-se como um valor mobiliário e não está sujeito ao IVA;

  • o Canadá está totalmente aberto para o Bitcoin. A tributação se aplica conforme o uso desta criptomoeda: para revendas ou na qualidade de investimentos;

  • UE. Aqui, as opiniões são distintas. Alemanha está tolerante em relação ao Bitcoin, permitindo usá-lo como “um meio monetário pessoal”. Ao contrário, em França, o Bitcoin está criticado por seu anonimato. Ainda em 2015, o Tribunal Europeu cancelou IVA em operações em bitcoins, referindo estes como uma divisa tradicional;

  • No Chipre, o estatuto da criptomoeda ainda não está definido e na Bulgária, os bitcoins estão sujeitos à tributação;

  • Rússia. A criptomoeda está proibida como um meio de pagamento, mas a mineração está florescendo, especialmente nas regiões com baixos preços de energia elétrica.

A maioria de países desenvolvidos ainda não determinaram o estatuto do Bitcoin e estão buscando a possibilidade para legalizar o mesmo. Estes países já aceitaram o uso inevitável de criptomoedas e permitem efetuar operações em seus territórios nacionais. O site Amazon prometei começar a aceitar os bitcoins a partir de outubro, o Aliexpress ainda não aceita os mesmos, mas o problema se resolve com ajuda de serviços intermediários que aceitam a criptomoeda e pagam o artigo em divisa real.

Ora bem, volto ao assunto sobre as coisas assustadoras para o Bitcoin e outras criptomoedas e a que estas reagem mais ativamente? É fácil referir que os traders ignoram praticamente ou a prazo muito curto quaisquer decisões dos países e ao contrário, as cotações das criptomoedas crescem nos períodos de publicação de informações sobre novas revalidações ou acordos. Por que os traders ignoram as restrições, é mesmo explicável:

  • os reguladores não têm praticamente as ferramentas para limitar completamente as criptomoedas. Os serviços de nuvens estão localizados em servidores nos vários países. Praticamente é impossível proibir a mineração ou aplicar tributação;

  • a emissão de criptomoedas se realiza num sistema global. A inexistência dum único emitente, excluindo as companhias privadas que criam a criptomoeda para os fins particulares, não permite aplicar as medidas em relação às pessoas singulares;

  • por enquanto entre os países não existe unanimidade, a proibição de criptomoedas num país significa automaticamente o aumento da circulação das mesmas em outros países.

Seria mais racional adaptar-se às tecnologias progressivas do que tentar a restringi-las.

Principais fatores fundamentais que influem às cotações das criptomoedas, são:

  • as inovações que tornam mineração mais vantajosa e fácil;

  • os problemas das Bolsas de criptomoedas;

  • em alguns casos, o Bitcoin e Ether têm uma correlação inversa em relação a outros altcoins. O interesse num altcoin poderá causar a fuga de fundos de Bitcoin e ao contrário, no momento de eventos fundamentais, por exemplo, as revalidações, o aumento do preço do Bitcoin está garantido à conta de fuga de capitais de outros altcoins;

  • o interesse dos traders em mesmo projeto que sustenta uma criptomoeda. Se o projeto tem uma perspectiva, os investidores terão uma reação respetiva.

Nos fóruns é possível encontrar uma opinião que a volatilidade está relacionada com o comércio algorítmico. É interessante que as vezes, os analistas não são capazes de explicar certamente as razões da volatilidade das criptomoedas e isto significa um componente especulativo grande e popularidade enorme. Parcialmente, isto são os sintomas duma “bolha”, mas talvez, as criptomoedas conquistarão realmente o futuro? Então, aqueles indivíduos que arriscam agora, conseguirão a obter os lucros gigantescos no futuro. Nos próximos tempos, mesmo o Bitcoin não será totalmente reconhecido, mas dentro de 5-10 anos, a situação se poderá a mudar radicalmente.

Ainda não existem os fatores fundamentais sólidos que serão capazes de reverter o Bitcoin para um horizonte de queda desde 25% e mais. Os traders preferem seguir às notícias positivas que poderão a influir à redução das comissões, rapidez das transações, facilitar a mineração e ignoram as declarações restritivas de vários tipos. Isto é uma das distinções principais das criptomoedas de divisas tradicionais que estão vinculadas aos discursos dos chefes do SRF, BCE, etc.

As sugestões para traders: apressem agarrar a tendência ascendente antes de suceder Segwit2x. O teto ainda não está alcançado, apesar da volatilidade diária constitui 150-200 dólares dos EUA. Especialmente para operar com principais criptomoedas, a companhia LiteForex oferece o seu produto novo compreensível mesmo para os traders principiantes. As suas vantagens são os investimentos mínimos, fiabilidade, facilidade e inexistência de riscos, comparando com as carteiras eletrônicas. Mas imediatamente antes de revalidação, seria melhor encerrar a posição e aguardar a reação do mercado.


P.S. Gostou de meu artigo? Compartilhe-lo em redes sociais, isto será melhor agradecimento :)

Faça as perguntas e deixe abaixo os comentários sobre material. Responderei com prazer e darei as explicações necessárias.

Links úteis:

  • Recomendo experimentar o trading com corretora de confiança aqui. O sistema permite a operar individualmente ou copiar operações dos traders bem-sucedidos de todo o mundo.
  • O chat de traders com análise excelente, revistas Forex, artigos didáticos e outros materiais úteis para traders. https://t.me/liteforexbrazil. Compartilhamos os sinais e experiências.
Como influem os fatores fundamentais à cotação das criptomoedas

O conteúdo deste artigo é exclusivamente a opinião particular do autor e pode não está coincidir com a posição oficial da LiteForex. Os materiais a publicar nesta página, são fornecidos exclusivamente com os fins informativos e não poderão ser considerados com um conselho sobre investimentos, nem como uma consulta para objetivos de Diretiva 2004/39/UE.

Tem as perguntas para o autor? Você poderá a fazê-las nos comentários .
Iniciar trading
Em redes sociais
Chat "ao vivo"
Deixar comentário