A anatomia de falências das corretoras: causas e consequências

As falências das corretoras permitidas por reguladores: causas e consequências. Como e porquê os reguladores permitem as falhas e o que poderá levar.

A licença dos reguladores para os participantes do mercado financeiro deve certificar que a corretora está sob grande atenção e isto significa que a falcatrua e problemas de liquidez são excluídos. Ou seja, existe uma autoridade supervisora que realiza uma auditoria constante duma corretora, monitora cada seu passo e, se surgirem disputas, na situação intervém uma comissão especial de regulamento das relações dos participantes dos mercados financeiros. A presença duma licença à companhia financeira confirma que diante a você está uma corretora, mas não um centro de distribuição.

Mas se significa isto que existência dum regulador e obter uma licença pela corretora é uma panaceia para todos os problemas? Na prática, há muitos casos, quando os reguladores permitem a falência, devido às quais os traders perdem milhões de dólares dos EUA. Nesta revista vou falar sobre as mais célebres das mesmas:

1. Como SEC e CFTC menosprezaram os riscos, permitindo a falência da MF Global.

2. Como Ernst&Young e FCA permitiram a falcatrua da WorldSpreads.

3. Como CySEC defende os interesses da IronFX, enquanto os investidores esperam que devolvam o seu dinheiro.

4. Porque IFSC permite facilmente a falência da companhia Panteon Finance.

Como erram os reguladores financeiros Forex

A licença do regulador à corretora é uma referência para o trader que certifica sobre aquilo que a companhia que fornece os serviços financeiros está sob o controlo. O regulador monitora relatórios financeiros, verifica o nível de capital, sua suficiência, monitora o cumprimento das regras de segregação (separação das contas de clientes de contas da corretora), elimina as operações internas e operações com risco não razoável. Na maioria dos casos, isto é verdade, MAS! Para você, encontrei casos mais escandalosos de inação e conivência por parte dos reguladores de corretoras Forex nos mercados financeiros internacionais.

Na Internet, há muitos links para a falência mais célebre do departamento britânico da Alpari UK, na primavera do ano 2015, após do que o franco suíço subiu bruscamente. Naquele momento, o regulador FCA conseguiu salvar o dinheiro dos clientes e esta história é apresentada como um exemplo de seu trabalho eficaz. Mas sobre os casos, quando os reguladores (incluindo FCA), devido à negligência escandalosa, permitiram as falências das maiores corretoras, preferem silenciar frequentemente. Mas em vão. Os mesmos são um excelente exemplo de aquilo que uma licença do regulador é não uma panaceia de problemas potenciais. Sobre estes casos leia ainda mais.

1. SEC e CFTC: como o menosprezo de riscos mancha a reputação dos reguladores

SEC (Comissão de Valores Mobiliários e Bolsas) e CFTC (Comissão de Negociação de Futuros de Commodities) são consideradas mais autorizadas não apenas nos EUA, mas também em todo o mundo. Mas o exemplo da falência da MF Global mostrou que os reguladores não apenas não sabem como avaliar os riscos dos tutelados, mas, em princípio, não sabem quantos ativos desvalorizados têm seus clientes.

No momento da falência, a corretora MF Global ocupava 7 lugar nos EUA em tamanhos de ativos em seu segmento. A companhia pertencia ao segmento de agente de investimento multinível que realiza as operações com os instrumentos financeiros derivados, ou seja, derivativas. Para a corretora meteu no fundo, era suficiente exatamente uma semana. A verificação de auditoria mostrou uma falta em contas segregadas de clientes no valor de 700 milhões de dólares dos EUA, quais a empresa usou para financiar suas próprias operações. Também é esclarecido que, além do prejuízo, conforme o resultado de 3º trimestre de 2011, com ativos de 41 mil de milhões de dólares dos EUA, a dívida conjunta constituiu 39,7 mil de milhões de, SEC e CFTC imediatamente iniciou a falência, mas agora restava analisar as razões e procurar culpados.

Como erram os reguladores financeiros Forex

O erro da MF Global estava em demasiada confiança nos valores mobiliários públicos de dívida que a corretora realizou com o princípio REPO, ou seja, acordo de recompra. MF Global vendia aos investidores (fundos de pensão, de investimento) os valores mobiliários com a obrigação de recomprá-los no futuro a um preço acordado antecipadamente. Em outras palavras, a corretora refletiu no balanço a venda de valores mobiliários, mas o acordo sobre a recompra dos mesmos foi registrado nos contratos. O stress-provas de reguladores não mostraram os problemas da corretora, e os reguladores não sabiam sobre os acordos de recompra (REPO).

Era uma espécie de pirâmide financeira. A MF Global comprou os valores mobiliários de dívida europeus, revendeu-os com a condição de resgate compulsório, comprou novamente os mesmos com o dinheiro recebido e revendeu-os novamente. Mas quanto maiores são os volumes de operações, uma corretora precisa ter mais dinheiro livre para resgatar os valores mobiliários, mas os investidores numa época de crise têm a tendência de retirar dinheiro. Em algum momento, a corretora falta liquidez para aumentar a garantia por capital atraído.

O princípio dos ganhos com as obrigações de dívida europeias era o seguinte: segurança dos valores mobiliários é inabalável, seu preço está a crescer. Um comprador (fundo) recebe a diferença entre o preço de resgate e o preço de compra (que é menor do que o nominal), MF Global recebe um cupão que é pagado no momento de resgate da obrigação. A aposta foi feita naquilo que os países europeus continuarão a realizar a manutenção dos seus créditos e os investidores europeus serão indulgentes as dificuldades dos países.

Os problemas começaram desde Grécia, após de que passaram para outros países (Chipre, Espanha, Itália, Portugal, Bélgica, Irlanda). Os valores mobiliários europeus começaram a descer rapidamente em preço, as contrapartes (compradores de bonds) foram solicitados a aumentar a garantia dos valores mobiliários, sabendo que MF Global falta simplesmente dinheiro suficiente para resgatar as obrigações por valor acordado. A crise de liquidez levou à descida do ranking, que, por sua vez, causou novamente exigências ordenarias em relação á liquidez. O mais triste ficou que a corretora usou não somente seu próprio dinheiro, mas também o dinheiro dos clientes.

Como erram os reguladores financeiros Forex

A falência da MF Global mostrou que:

  • os reguladores não sabem quanto as posições REPO não declaradas têm os bancos e companhias de corretoras;
  • os reguladores e auditores (PwC) não viram uns problemas de investimento em valores mobiliários de dívida europeus.

2. FSA (FCA) e WorldSpreads: fiasco do regulador britânico

A companhia WorldSpreads surgiu no ano 2007, pouco antes do início da crise hipotecária nos EUA, que parcialmente enganchou também Reino Unido. O fato de que a companhia conseguiu conquistar rapidamente os clientes e ganhar uma reputação, ajudou-a passar o ano 2008 mais difícil. Graça ao incremento de circulação, a corretora conseguiu atingir a capitalização cerca de 40 milhões de libras esterlinas, o que o colocou entre as maiores companhias do setor. Conforme a legislação, WorldSpreads tinha as contas segregadas, mas isto não salvou aos clientes da corretora.

  • Nota: As contas segregadas são umas contas de traders que estão separadas de contas da corretora. Teoricamente, em caso de falência duma corretora, as contas de clientes segregadas são transferidas para a administração de outra companhia. Mas na prática, a corretora não tem divisão de contas segregadas separadamente por cada cliente, um conjunto de posições é colocado no mercado. Estas posições poderão ser exibidas em seu fornecedor de liquidez, que não estão sujeitas à verificação da FSA.

Em meados de março do ano 2012, WorldSpreads foi obrigada a admitir que, dos pouco mais de 30 milhões de libras esterlinas que estavam no balanço da companhia, 13 milhões simplesmente faltam. Em algum momento, a gerência da corretora percebeu que atravessa uma linha perigosa e tentou concluir um acordo sobre a cobertura de falta com as companhias London Capital Group e IG Group. A operação não foi realizada e a corretora obriga a publicar os relatórios com o défice do balanço. Para o Reino Unido, esta situação parecia a priori impossível, porque o fato da trapaça naquele tempo explodiu todo o setor, a atividade da corretora foi imediatamente suspendido.

Como erram os reguladores financeiros Forex

Mais tarde, uma investigação mostrará que todos os 13 milhões de libras esterlinas foram retirados pela WorldSpreads a pretexto de permissão dos clientes à compra suas ações na bolsa. E se em caso da MF Global houve um menosprezo de riscos, na situação com o WorldSpreads há uma trapaça franca.

A falência da WorldSpreads tornou-se um precedente no Reino Unido, mostrando toda a fraqueza do sistema de supervisão financeira:

  • auditor do “Big Four” Ernst & Young durantes 5 anos (de 2007 a 2012) de inspeções anuais não viu um buraco no balanço da corretora. Os inspetores não têm nenhumas dúvidas em relação à WorldSpreads e não é conhecido, quanto TOP-gestores retiraram mais o dinheiro dos clientes, se não fosse pela publicidade das operações fracassadas;
  • FSA baseou-se nos relatórios do auditor, ignorando a necessidade dum controlo feito as próprias mãos da corretora. Notavelmente que não há informações, se as reclamações foram recebidas dos traders. Por isso, podemos concluir que a corretora WorldSpreads manobrou habilmente o dinheiro dos clientes, e a FSA verificou a mesma apenas formalmente.

Mais tarde, outro auditor do “Big Four”, KPMG, nomeado para o período de investigação, intentará uma demanda contra Ernst & Young, que resultará, dentro de dois anos, será concluído um acordo de paz. Um resultado relativamente bem-sucedido para o auditor culpado, com o tempo, mesmo conseguiu recuperar a reputação (lembro de que, após de falência do gigante de energia Enron nos EUA no ano 2001, “Big Five” se tornou “Big Four”, o auditor da corporação Arthur Andersen deixou de existir).

Para FSA, a falência da WorldSpreads também teve sérias consequências. Menos de um ano depois, o regulador foi reorganizado. Uma parte de suas funções foi transferida para o Banco da Inglaterra, e a organização FCA criada recentemente (começou o funcionamento de 1 de abril do ano 2013) mudou a abordagem da revisão dos relatórios financeiros, alterando a frequência de análise de 1 ano até 1 trimestre.

Para os clientes WorldSpreads, a situação ficou mais triste. Nem contas segregadas, nem fundos de compensação não puderam salvar seu dinheiro. Conseguiu devolver apenas 15-40% dos depósitos.

3. CySEC e IronFX: regulador que não reconhece seus erros

IronFX é a corretora universal clássica que fornece os serviços nos mercados de moedas Forex e de valores mobiliários. Que no ano 2010, escolheu Chipre como a jurisdição, o criador e gerente deste projeto é cipriota, e o escritórios principal está localizado mesmo lá, respetivamente. Com o tempo, a companhia cresceu muito até mais de 60 escritórios em todo o mundo. As primeiras reclamações de clientes contra a corretora começaram em março de 2015, mas a CySEC as ignorou tenazmente. Somente em agosto e setembro de 2015, os representantes do regulador iniciaram uma investigação, sonorizando a decisão em abril de 2016 que atarantou os traders. A posição oficial da CySEC foi a seguinte:

  • o regulador não tem autoridade para pagar o dinheiro das vítimas do fundo de compensação até que a IronFX se declare falida. Mas isso não tata em princípio, porque a corretora simplesmente ignorou as exigências dos traders, mas não desejou a declarar-se falida;
  • o regulador obrigou a corretora pagar a dívida aos traders e pagar uma multa no valor de 335 mil euros.

Como erram os reguladores financeiros Forex

Se a corretora cumpriu as exigências não é conhecido (há informações não verificadas). Mas a IronFX mantém uma licença do Chipre. Além disso, a companhia abriu uma representação na China. Em outubro de 2014, a IronFX já tinha problemas na China (acusação de trapaça), mas depois de rebranding seus departamentos conquistaram com sucesso o mercado chinês novamente.

No ano 2017, sucedeu seguinte etapa de escalação do conflito. Um grupo de investidores encabeçado por um trader húngaro apresentou uma queixa coletiva já não em CySEC, mas em Provedoria de Justiça Financeira (Financial Ombudsman Monitoring Service) e Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA), onde a queixa foi considerada 5 meses. A resposta foi formal: não houve violações na ação do regulador. Mas os traders não pararam, a queixa apresentada à Comissão Europeia foi eficaz e o Parlamento Europeu interveio. A consideração da reclamação começou em julho de 2017 e ainda não há resultados. Escolha cuidadosamente uma companhia para trading, veja o prazo de funcionamento, se a mesma existe no mercado há mais de 10 anos e não há casos célebres e reclamações tornadas a público através do regulador, então talvez esta companhia seja confiável. Bem, as “relações parentais” da população da ilha de Chipre, eu acho? nesta situação, têm um papel importante.

4. IFSC e Panteon Finance: mais vale tarde do que nunca

Panteon Finance surgiu no ano 2010. Uma companhia que opera no território da Comunidade de Estados Independentes (CEI), posicionou-se como uma corretora PAMM, simultaneamente fornecendo também, os serviços clássicos no Forex. A companhia de mercadologia ativa trouxe resultados positivos. As constantes publicações de revistas em bloques e fóruns de investimento levaram ao fato de que, no ano 2012, a marca se tornou uma das mais reconhecidas. Panteon Finance recebeu uma licença do regulador de Belize IFSC, ainda que é refúgio fiscal, mas bastante popular nos círculos de corretagem. A desgraça não prenunciava nada.

No ano 2013, nas comunidades de trading divulgaram gradualmente os rumores de que a Panteon Finance nada mais do que uma pirâmide. Mesmo apareceram os paralelos com outra corretora Forex Trend que foi conhecida naquele momento. Já em meados de 2014, uma série de reclamações sobre incumprimento das suas obrigações foram apresentadas contra ambas companhias. Em setembro de 2014, a Associação Internacional de Traders Forex declarou que termina a cooperação com estas companhias de investimento. A reação do regulador não surgiu.

Desde outono do ano 2014 até a primavera do ano 2015, um número recorde de reclamações foi enviado no Forex Trend e Panteon Finance. Em fevereiro de 2015, a Organização Auto-Reguladora “Centro de Regulamento dos Instrumentos e Tecnologias Financeiros não Bolsistas” existente naquele tempo, retirou sua licença ao corretor. Em maio de 2015, o regulador da Nova Zelândia, FMA, alertou sobre a falência potencial do Forex Trend, considerando a companhia pouco confiável, mas com isto sua participação acabou. Forex Trend continuou a atrair o dinheiro e a FMA limitou-se apenas a recomendar aos traders para consultar uma organização de resolução de disputas (mais um exemplo de assistência “eficaz” dos reguladores de refúgio fiscal).

Com a Panteon Finance, a situação ficou ainda mais interessante. Sobre o incumprimento das obrigações por corretora e problemas foi conhecido de outubro do ano 2014 até fevereiro do ano 2015. Somente em outubro de 2015, o IFCS publicou um aviso em seu site, mas 9 meses depois, é pouco provável que o mesmo poderia ajudar a alguém.

Como erram os reguladores financeiros Forex

Alguns anos depois de investigação, descobriu-se que a fonte da pirâmide da Panteon Finance, Forex Trend e Private FX foi um grupo de pessoas encabeçado por Pavel Krymov, que pessoalmente se apropriou aproximadamente de 30 milhões de dólares dos EUA. Todas estas corretoras nunca foram assim, sendo as pirâmides financeiras. Perguntas:

  • Como os reguladores emitiram as licenças, os mesmos devem controlar a origem do dinheiro e suficiência de capital?
  • Como os dois reguladores permitiram as violações das corretoras, se o combate ao branqueamento de capitais e a prevenção de pirâmides é a sua tarefa principal?
  • Porquê, com um grande número de reclamações, a reação dos reguladores, para não dizer mais, ficou atrasada?

Conclusão. A eficácia dos reguladores no mercado Forex frequentemente causa muitas questões. Em alguns casos, existe a negligência comum ou falta dum mecanismo de controlo efetivo. Nuns a licença é formal e noutros, o regulador absolutamente toma a parte de corretora. Se vale a pena confiar nos mesmos, é coisa individual de cada um!

 

Como erram os reguladores financeiros Forex

O conteúdo deste artigo é exclusivamente a opinião particular do autor e pode não está coincidir com a posição oficial da LiteForex. Os materiais a publicar nesta página, são fornecidos exclusivamente com os fins informativos e não poderão ser considerados com um conselho sobre investimentos, nem como uma consulta para objetivos de Diretiva 2004/39/UE.

Tem as perguntas para o autor? Você poderá a fazê-las nos comentários .
Iniciar trading
Em redes sociais
Chat "ao vivo"
Deixar comentário